Dom Dziwisz deposita flores na Praça São Pedro e recorda João Paulo II

Fátima reza o terço pelos presos e suas famílias
13 de maio de 2021
Mark Wahlberg e Mel Gibson filmam história de boxeador que virou padre
13 de maio de 2021

Nesta quinta-feira, 13, arcebispo emérito de Cracóvia visitou local exato do atentado contra o santo

Da redação, com Vatican News

Cardeal Stanislaw Dziwisz /Foto: Mazur/episkopat.pl

A “firme atitude em exigir respeito pelos direitos de cada ser humano” foi uma das características de São João Paulo II recordada pelo cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo emérito de Cracóvia, Polônia, e secretário particular do Papa Wojtyła.

As palavras do purpurado polonês vêm exatamente 40 anos depois do atentado sofrido pelo Pontífice na Praça de São Pedro. Era 13 de maio de 1981, quando João Paulo II foi ferido no abdômen por tiros disparados por Ali Agca.

 “Desde o início do seu Pontificado – sublinha o cardeal Dziwisz – fez firmes apelos em favor dos perseguidos e reprimidos”.

Nesta quinta-feira, às 10h30, o arcebispo emérito de Cracóvia, foi até a Praça de São Pedro onde colocou um buquê de flores no local exato do atentado.

Leia também
.: Enfermeiro que ajudou João Paulo II: no sofrimento foi guiado por Deus

Papa Polonês

São João Paulo II é proveniente da Polônia. No no século XX, o país viveu as atrocidades do nazismo e do comunismo. O santo compreendeu perfeitamente os danos causados ​​pela violência totalitária dos governos contra os cidadãos e sociedades inteiras.

Neste sentido a sua firme atitude em exigir o respeito pelos direitos e pela dignidade de cada pessoa, uma missão”, que nem mesmo o atentado conseguiu interromper, acrescentou o arcebispo emérito.

O cardeal Dziwisz também recordou os momentos “muito dramáticos” vividos logo após o atentado. “Segurava o Santo Padre, que escorregava e sangrava, estava em choque, mas sabia que tínhamos que agir para salvar sua vida”.

Perdão

Apesar da dor, recorda ainda o purpurado, o Pontífice “manteve a calma, confiado-se a Deus e a Maria”. “Já a caminho do hospital, perdendo a consciência, disse-me que perdoava” o autor dos disparos.

Em 27 de dezembro de 1983, de fato, o Papa Wojtyla visitou Ali Agca no cárcere de Rebibbia. Ele “tinha uma missão que lhe fora confiada por Deus – conclui o purpurado – e continuou a levá-la avante até o fim”, “com coragem”.

 

O post Dom Dziwisz deposita flores na Praça São Pedro e recorda João Paulo II apareceu primeiro em Notícias.